Lojas e bancos ficam fechados no centro do Rio por falta de funcionários e clientes

As inundações provocadas pelas chuvas desde terça-feira (10) nas zonas norte e oeste da capital do estado e na Baixada Fluminense deixaram o centro do Rio de Janeiro praticamente deserto nesta quarta-feira (11), devido à dificuldade de os funcionários do comércio chegarem aos locais de trabalho. Lojas, restaurantes e agências bancárias ficaram vazios ou fecharam no centro e em alguns bairros.

Segundo informou à Agência Brasil o presidente da Sociedade de Amigos da Rua da Alfândega e Adjacências (Saara), maior centro lojista de rua do estado, Ênio Bittencourt, só na Rua da Alfândega, 30 lojas não abriram hoje. Devido à falta de funcionários, as agências da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil situadas na região da Saara cerraram as portas.

Na Praça da Bandeira, situada na zona norte, área tradicionalmente sujeita a problemas durante as chuvas de verão, o estabelecimento Aconchego Carioca Bar registrou redução de 50% no movimento desde quarta (10). O gerente Pedro Barcellos informou que, em função das enchentes, a maioria dos funcionários que reside na zona oeste e na baixada não veio trabalhar.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, espera inaugurar o primeiro dos cinco piscinões projetados para a Praça da Bandeira até o final deste ano. Ele acredita que a obra deverá reduzir o impacto das enchentes na área da Grande Tijuca. A resolução completa do problema, entretanto, levará mais algum tempo, porque se trata, segundo ele, de obras complexas e de infraestrutura.

O presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (Sindilojas-Rio), Aldo Gonçalves, indicou como principais resultados das chuvas o esvaziamento das lojas, com perda de faturamento. Em relação aos prejuízos materiais gerados pelas enchentes aos lojistas, o economista Fábio Bentes, da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) informou que os números devem demorar ainda algum tempo para sair. “Temos que esperar os desdobramentos”, apontou.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de: