Novo modelo de negócio  propõe compra de imóveis por cotas imobiliárias

mercado imobiliário

Com foco em democratizar e aproximar o mercado imobiliário de novos investidores, a Divvy prevê investimento mínimo de R$ 4 mil reais

Com um aumento de 25,9% em lançamentos e de 12,8% de venda de novos imóveis no último ano, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o mercado imobiliário foi um dos setores que manteve crescimento acima das expectativas nos últimos dois anos, mesmo diante da situação de pandemia.

Para tornar o setor mais acessível, a venda de cotas imobiliárias, fora do mercado financeiro tradicional, surge para democratizar o segmento e tornar o processo mais simples e seguro para o pequeno investidor ou os interessados em realizar o primeiro investimento. “É um modelo de negócio inédito no Brasil, iniciado em Santa Catarina, e voltado para quem deseja iniciar no mercado imobiliário de investimentos, mas ainda não possui recursos para comprar um imóvel sozinho, embora também seja possível para aquele já acostumado em investimentos, mas que quer diversificar a área”, explica o cofounder da Divvy Investimentos,  Leonardo Stollmeier. (foto em destaque os três sócios).

O modelo propõe que um imóvel seja comprado por mais de um investidor através da divisão de cotas. O investimento mínimo é de R$ 4 mil, sem valor máximo previsto. O negócio é focado em apartamentos na planta e em início de obra. “É nessa fase que se consegue mais rentabilidade. O mercado imobiliário tem uma volatilidade baixa por causa de sua baixa liquidez. O investimento está atrelado ao tempo da obra, ou seja, é um investimento de médio a longo prazo, dura em média dois a três anos”, explica o também cofounder da Divvy, Matheus Tafner.

Com a proximidade da data de entrega, o empreendimento é vendido pelas imobiliárias parceiras da startup e o valor é dividido entre os investidores de acordo com a cota adquirida e a valorização do período. “O melhor momento de negociação é na fase final da obra já que a maior parte da valorização já aconteceu”, acrescenta.

O modelo de negócio é 100% digital e busca facilitar ao máximo a troca de informações para a tomada de decisão mais assertiva do investidor. Ao acessar o sistema através do site da empresa, os interessados têm acesso aos empreendimentos disponibilizados pelas construtoras na planta. Com isso, ele seleciona o imóvel e quanto deseja investir. Para auxiliar na escolha, a Divvy fornece informações precisas de análises da região, fotos e planta do empreendimento e detalhes do investimento. “No sistema ele poderá acompanhar a rentabilidade e o andamento do investimento. Tudo é 100% digital desde a escolha, a assinatura do contrato, pagamento e o acompanhamento”, explica a outra cofounder, Isabela Tafner.

Inédito no Brasil

O modelo de investimento no mercado imobiliário proposto pela Divvy é inédito no Brasil. Baseado em serviços norte-americanos, passou por uma adequação ao padrão brasileiro. Por isso, foi necessário se adaptar às legislações previstas, o que levou um ano de trabalho focado na estruturação do padrão.

A empresa inicia com cinco imóveis em seu portfólio e quatro construtoras da região de Blumenau, porém com a expectativa de expansão para o Litoral catarinense no segundo semestre de 2022. “Queremos atingir um portfólio de mais de 20 a 30 imóveis até o ano que vem. E expandir para outros grandes centros do Brasil”, conta Isabela. 

Sobre a Divvy – Com objetivo de democratizar e aproximar o mercado imobiliário, a Divvy Investimentos Imobiliários busca aliar os interesses dos investidores com um modelo digitalizado, prático e acessível. A empresa é formada pelos três jovens e experientes investidores Isabela Tafner, Leonardo Stollmeier e Matheus Tafner, que aliaram experiência com o mercado financeiro norte-americano e brasileiro e a veia empreendedora familiar para desenvolver o modelo de negócio único e inédito no Brasil.

 

 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Você também vai gostar de: