Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Diego Maia

É preciso deixar o comodismo de lado e investir na motivação dos gestores

Mônica Pupo 19/08/2013
Mônica Pupo 19/08/2013

Falta de clareza e qualificação, dificuldade em definir metas e pouca disposição para treinar os subordinados. Estas são apenas algumas das falhas mais cometidas pelos gestores de empresas dos mais diferentes portes e segmentos. Diagnosticado por estudos e pesquisas em todo o mundo, esse despreparo é responsável por arruinar carreiras e comprometer o desempenho de toda a organização.

Para lidar com a situação é preciso deixar o comodismo de lado e investir no treinamento e motivação dos gestores, que devem sempre estar atualizados em relação às decisões estratégicas da companhia. “Tem empresário que cobra resultados sem nunca ter mostrado o que deve ser feito e insiste em dormir abraçado com o conformismo”, avalia Diego Maia, autor do livro Como ser um gestor de sucesso.

Especialista em vendas e gestão e presidente do Grupo CDPV(Centro de Desenvolvimento do Profissional de Vendas) há dez anos, ele fala a seguir sobre como é possível formar bons gestores e evitar o chamado “apagão de talentos”. “Com o chamado ‘apagão de talentos’, muitas empresas possuem vagas ociosas em atividades de coordenação, supervisão e gerência. E, para preenchê-las, contratam ou promovem pessoas que ainda não estão prontas, o que é muito perigoso. Fazendo uma analogia com um exército, como um coronel que nunca deu um tiro pode comandar um batalhão?”, indaga Maia. Ele explica também a diferença entre vendas corporativas e para o público e negociação de alto impacto, além de dar dicas para uma negociação mais eficiente, entre outros assuntos.

O que determina o sucesso de um gestor nos dias de hoje?

Diego Maia – Estamos vivenciando um aumento substancial na complexidade de fazer negócios. Seja entre empresas, com maior concorrência e exigências, seja na venda para o consumidor final, pois os clientes estão cada vez mais informados e dispostos a pechinchar. As empresas que atingem êxito são aquelas que possuem equipes preparadas para estes desafios, lideradas por pessoas com as competências necessárias para desenvolver o negócio e lidar com gente, que pensam diferente. O gestor de sucesso é aquele que trabalha focado em iniciar pessoas, influenciá-las em prol daquilo que realmente importa e, sobretudo, motivá-las no sentido de inspirar e relembrar por que trabalham e o que desejam para suas vidas. Em suma, um gestor de sucesso é aquele que tem coragem e não foge das responsabilidades.

Pesquisas apontam que gerentes são mal preparados, sobretudo em pequenas e médias empresas. Como é possível treiná-los para exercer o cargo?

Diego Maia – Isso é possível a partir do momento em que se envolvem os gestores nas decisões, proporcionando que entendam um pouquinho que seja de estratégia. Mostrar o caminho que deve ser trilhado e os detalhes do que deve ser feito e como deve ser feito. Tem empresário que cobra resultados sem nunca ter mostrado o que deve ser feito. Simplesmente “delargam” uma equipe ou uma operação na mão de pessoas comprometidas, mas sem as habilidades necessárias para desenvolver. Tem gente que não entende isso e insiste em dormir abraçada com o comodismo e o conformismo.

Quais os erros mais comuns cometidos pelos gestores de pequenas e médias empresas?

Diego Maia – Acreditar que o funcionário sabe o que precisa ser feito, seguido pelo pensamento de que, para acontecer, ele precisa se envolver em tudo. Mas o mais impactante é aquele tipo de gestor que não busca qualificação. Às vezes ficam tão sobrecarregados que esquecem de estudar, de fazer cursos, de ler livros e revistas. E acabam caindo no lugar comum. Se você deseja ter uma empresa de sucesso, ou mesmo ser um alto executivo de uma boa companhia, o pulo do gato está em contratar bem, conjugado com um estruturado programa – ainda que não escrito – para formar bons profissionais.

Para ser um bom gestor também é preciso, necessariamente, ser um bom vendedor?

Diego Maia – Não! Pelo contrário. Geralmente um bom vendedor fracassa como gestor. Esta é mais uma miopia de mercado: achar que uma pessoa deve ser reconhecida com a promoção apenas por vender bem. É uma meritocracia distorcida que afeta profundamente a vida de uma empresa. Geralmente o que acontece é isto: “Perdi um excelente vendedor e ganhei um mau gestor”. Porém, o empresário que nunca cometeu este erro que atire a primeira pedra.

Quais as principais características de um bom negociante?

Diego Maia – Ele pergunta mais do que fala, fecha sempre uma frase com um ponto de interrogação. Além disso, tem como objetivo a satisfação de todas as partes (a do cliente, a da empresa, a dele mesmo…). Pessoas que se acham “donas da verdade” quebram a cara reiteradamente. É aquele que não omite informação e jamais mente. Agindo assim, você conquista não apenas clientes, mas fãs fervorosos que confiam naquilo que você propõe.

Como é possível aprimorar essa capacidade de negociação?

Diego Maia – Estudando, treinando, lendo livros, participando de cursos. Mas, principalmente, avaliando as negociações malsucedidas. É muito comum tentar achar responsáveis ou culpados por uma negociação fracassada. É a busca da chamada “tendência natural do menor esforço”. Estou certo que a maioria das negociações fracassadas tem como ponto negativo a atuação do negociador. O que ele fez demais? O que fez de menos? O que poderia falar, não falar? Como poderia agir? A decisão pela compra, claro, está nas mãos do cliente, sempre. Mas se o cliente não “compra minha ideia”, a culpa é dele? A culpa é do meu produto? A culpa é da minha empresa? A culpa é da concorrência? A culpa é do mercado?

Quais as diferenças entre vendas para o público e vendas corporativas?

Diego Maia – São brutais. Corra de treinamento de venda que não separa uma coisa da outra. Vendas corporativas são mais complexas, consultivas e, na maioria dos casos, possuem um tempo de fechamento mais longo. A venda direta ao consumidor, geralmente, precisa ser feita com mais impacto, viabilizando o fechamento logo para a primeira visita.

Qual o perfil de um profissional de vendas corporativas? Há alguma formação recomendada?

Diego Maia – É aquele mais preparado física e psicologicamente para encarar um processo árduo. Vender para empresas requer habilidades apuradas e preparação constante. Não é errado afirmar que tal setor exige pessoas com nível social e cultural mais elevado que a média da população. Ainda há uma subvariação. Se a venda é pontual (uma vez aqui e outra não se sabe quando) ou se é recorrente (fornecendo produtos ou serviços com periodicidade baixa). Tem gente mais afinada a um tipo. É dever do empreendedor identificar este perfil no processo seletivo, visando reduzir as chances de fracasso.

O que significa a negociação de alto impacto e como ela pode ser aplicada nas organizações?

Diego Maia – Negociação de alto impacto é quando o profissional não coloca o dinheiro em primeiro lugar. Ele entende que dinheiro é consequência por algo bem-feito. Ele faz lobby, sem pressionar. A prática do “feche agora que amanhã vai aumentar”, muito comum na era Collor por conta da inflação absurda, ainda está por aí como se fosse uma técnica de venda. Porém, mais afasta do que atrai.

Apersuasão é uma habilidade intrínseca a determinados profissionais ou ela pode ser desenvolvida e treinada? Se sim, como?

Diego Maia – Há pessoas que nascem com algumas inclinações positivas para se tornarem grandes negociadoras. Mas estou efetivamente convicto de que esta habilidade pode ser desenvolvida e treinada. Entendo que nascemos com uma série de características que direcionam a pessoa para uma determinada área de atuação. Pessoas totalmente introspectivas, por exemplo, geralmente não funcionam na área de vendas e negócios. Engana-se também aquele que acha que o sujeito que fala demais daria certo em vendas. Falar demais não é uma atitude viável para uma negociação. Devemos escutar mais do que falar, para entender o que o nosso interlocutor deseja, quais são seus anseios, desejos e dificuldades para então propor soluções. Negociação pode ser aprendida e suas técnicas devem ser sempre recicladas.

Como lidar com o chamado “apagão de talentos”?

Diego Maia – Achar gente boa hoje, em todos os segmentos do País (não é só no comércio ou na indústria), está bastante complicado. Isso vale para todo e qualquer setor da economia. O crescimento do País não pode ser medido apenas pelo PIB, que mostra o quanto a economia cresce ou encolhe. Se nesta medição houvesse uma alínea dedicada à qualidade da mão de obra, é possível que estivéssemos ainda mais atrás. Se você é gestor ou empresário e quer parar de sofrer com a falta de mão de obra ou de talento da mão de obra, o único caminho também é a qualificação. Quantos cursos, treinamentos ou reuniões técnicas você desenvolve com sua equipe? Quantos por cento de seu orçamento anual você reverte para qualificar seu time? A resposta destas perguntas são legítimos indicadores que apontam como será o futuro da sua empresa.

2 Comentários

  • rodrigo barbosa30 de agosto de 2014

    Muito bom e produtivo o seu post…
    Estou desenvolvendo treinamentos sobre liderança e tudo que já preparei está muito parecido com o que vc coloca nos seus textos e argumentações…
    Gostaria de acrescentar que, um bom profissional líder de equipes, também deve ser capaz de ter uma sensibilidade para tomar atitudes corretas e bem direcionadas em apenas alguns poucos 12 segundos, ou seja, pensar rápido, e está habilidade pode ser melhorada com pequenos exercícios tipo : tentar prever possíveis problemas e pensar quais seriam as melhores soluções quando eles ocorrerem, estudar joguinhos de infância (tipo lego, cubo mágico), pois eles incitam a criatividade e planejamentos estratégicos.

    Enfim, é isto!

    Boa sorte!

    Atenciosamente;
    Rodrigo Barbosa
    Palestrante virtual.
    hanekan@hotmail.com

  • Agnaldo Meireles19 de julho de 2015

    Excelente, matéria todo os dias ouço seus comentários na Rádio A Tarde FM. Sempre mim deixa motivado mais vezes, ai mim pergunto porque uma gestão péssima deixa o resto dá equipe desmotivada?

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.