Internet é principal canal de vendas de passagens aéreas para pessoas que viajam a negócios

Cerca de 47% dos viajantes preferem adquirir os tíquetes diretamente nos sites das empresas aéreas; e 7% já compram bilhetes via app, no tablet ou smartphone

Redação 04/05/2017
Redação 04/05/2017

A MindMiners, empresa especializada em big data, tabulou pesquisa – sob encomenda do PayPal Brasil – sobre os hábitos dos brasileiros em viagem de negócios, uma radiografia de preferências, costumes e preocupações desses turistas com relação aos serviços usados quando viajam pelo País e/ou internacionalmente.

Entre as descobertas principais, está o fato de uma parcela significativa (47%) usar a internet para fazer reservas de passagens e hospedagem – usando, inclusive aplicativos de smartphone ou tablet (7%).

“A pesquisa mostra, claramente, que há um mercado enorme em perspectiva para ferramentas como o PayPal quando o assunto são viagens de negócios. O turista que viaja a trabalho precisa de segurança e facilidade na hora de pagar por produtos e serviços. As carteiras digitais podem ser excelentes companhias de viagem”, afirma Sheynna Hakim Rossignol, diretora Comercial para Grandes Contas do PayPal Brasil.

O estudo foi realizado entre os dias 12 e 18 de janeiro deste ano e ouviu turistas brasileiros das classes ABC de todas as regiões do País. Os highlights você confere abaixo:

Novidades

• Questionados sobre necessidades não atendidas durante a última viagem a trabalho, 30% dos entrevistados revelaram que, sim, passaram por algum problema. A maioria citou questões referentes à hospedagem (10%) e ao transporte (9%), mas também houve reclamações sobre ausência ou sinal ruim de wi-fi em hotéis e aeroportos.
• Quanto à responsabilidade sobre as decisões de compra de transporte e hospedagem, 35% disseram que o empregador decide todas as questões que envolvem a viagem; outros 30% decidem tudo sozinhos, pois são autônomos; 22% compartilham a decisão com o empregador; e 13% decidem sozinhos e apenas informam o empregador.
• Uma vez no destino, a MindMiners questionou os entrevistados sobre o regime de pagamento de refeições. Para 35%, o empregador estabelece um valor diário para alimentação (e eles tentam encontrar opções que se encaixem no orçamento); outros 33% são livres para escolher onde se alimentar (e depois pedem reembolso); e 32% são autônomos, escolhendo livremente onde farão suas refeições.
• Quando questionados sobre quais são as prioridades para gastos em uma viagem a trabalho, 73% disseram ser a alimentação; 72%, a hospedagem; 47%, o transporte aéreo e rodoviário; e 40%, o transporte na cidade destino.
• A mesma pergunta foi refeita aos entrevistados, mas com foco no empregador. E a ordem das prioridades mudou: para os pesquisados, 71% de seus empregadores priorizam os gastos em transporte aéreo e rodoviário; 64%, em hospedagem; 55%, em transporte na cidade destino; e 50%, em alimentação.
• Sobre as opções de transporte para chegar ao destino, cerca de 50% dos entrevistados pela MindMiners disseram viajar, na maioria das vezes, de avião; 32% costumam ir ao destino de carro; e 17%, de ônibus.
• Na hora de comprar a passagem de avião, 47% dos entrevistados procuram os sites das companhias aéreas; 40%, serviços de operadoras de turismo; e 7% fazem buscas no site Decolar.com. Metade dos entrevistados fecha negócio diretamente no site das empresas; 20% preferem ir pessoalmente à agência de viagem ou quiosque da cia. aérea; e 7% usam aplicativos de smartphone ou tablet.
• De acordo com a pesquisa, 40% dos brasileiros que viajam a negócios costumam prolongar a estadia para fazer turismo. Do total de entrevistados, 78% disseram ficar em hotéis na cidade destino; 15%, em pousadas; e 7%, em flats ou na casa de amigos e/ou parentes.
• Uma vez na cidade destino, o meio de transporte mais usado é o carro alugado (43%); seguido pelo táxi (38%); Uber (27%); ônibus público (20%); e metrô (17%)
• Questionados sobre seguros, 47% dos entrevistados disseram que seus empregadores não contratam nenhum tipo de seguro de viagem; apenas 28% garantiram que viajam segurados; e outros 25% não souberam responder à questão.
• O seguro mais comprado pelos empregadores é o de saúde/acidentes (82%), seguido pelo de extravio de bagagens (47%) e pelo de cancelamento de viagem (18%).
• O uso de e-wallets, segundo a MindMiners, se dá no momento da compra de produtos na cidade destino. Cerca de 25% dos entrevistados citaram o PayPal como seu meio de pagamento eletrônico de preferência. O que os leva a usar a ferramenta? Facilidade (17%) e segurança (7%).

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.