Jovens investem profissionalmente no mercado das artes

De acordo com especialistas, o mercado movimenta anualmente mais de 200 milhões de reais, com um crescimento expressivo de 15% por ano

Redação 13/04/2017
Redação 13/04/2017

Aos 25 anos, a curitibana Thais Francoski deixou de lado a arquitetura para realizar um grande sonho: trabalhar com artes. A escolha da curitibana, que hoje trabalha em uma das principais galerias da capital paranaense, é apenas um dos muitos exemplos de jovens brasileiros que nos últimos anos passaram a encarar o mercado profissionalmente, seja como artista ou nas diversas funções que atendem as necessidades do segmento, e não apenas como hobby. Isso se deve, principalmente, ao aquecimento do mercado das artes no Brasil nos últimos anos.

“Desde a escola, sempre fui apaixonada por história antiga. Quando entrei na faculdade de Arquitetura, tínhamos uma matéria chamada ‘História da arte e da arquitetura’. Fui me aproximando do segmento e busquei cursos livres para me aprimorar. Como não existia essa demanda em Curitiba, apenas cursos universitários, fui para São Paulo fazer um curso sobre o Mercado de Arte. Amei tudo e acabei envolvida pelo segmento”, conta Thais.

Após concluir a faculdade de Arquitetura, a curitibana atuou alguns meses no segmento, até ser atraída por uma vaga de trabalho em uma das principais galerias de Curitiba. Há pouco menos de um ano atuando no mercado, Thais não se arrepende da escolha e se sente cada vez mais familiarizada. “Foi uma grande surpresa, pois mesmo querendo, imaginava que o mercado era inatingível. Hoje, sou coordenadora de produção da SIM Galeria, sendo responsável por eventos que acontecem aqui, entre eles aberturas e montagens de exposições, cursos e palestras. Além disso, faço pesquisas e contatos com artistas e curadores, e sou responsável pela logística nacional e internacional, incluindo importação e exportação. Sou cada vez mais apaixonada por tudo isso”, detalha a jovem.

Com uma visão moderna e abrangente do mercado, Thais acredita que nos próximos anos as artes farão cada vez mais parte da vida dos jovens, principalmente se forem implantados novos conceitos de formação nas escolas. “Muitas pessoas ainda têm a visão de que obras de arte são itens que não estão ao alcance de todos. Precisamos desmistificar essa ideia de arte como artigo de luxo e trazer para o cotidiano das pessoas”, detalha. Para a curitibana, a cena alternativa, que tem movimentado o mercado, trará ótimos frutos. “Nos últimos meses, observei várias iniciativas incríveis acontecendo, deixando claro que o mercado está mudando. A cena independente ganhou muita força, movimentando o segmento para os jovens artistas e entusiastas”, completa.

Jovens artistas

“O mercado curitibano está em desenvolvimento e evolução. Tem cada vez mais gente produtiva e talentosa surgindo por aqui. Pessoas com vontade de fazer a cidade pulsar, fazendo eventos alternativos, abrindo espaços culturais, criando eventos mesclando artes visuais, poesia, música e moda. Hoje, a cidade tem artistas visuais fantásticos, como Denise Roman, Emerson Persona, André Mendes, Rimon Guimarães, Juan Parada e Leandro Cínico. Curitiba tem um potencial artístico extremamente poderoso”, explica a jovem artista Sarah Bauer, de 27 anos, que tem se destacado na cidade de Curitiba com sua pintura autoral.

Sarah Bauer segue o exemplo de uma geração de curitibanos que encontraram nas demonstrações artísticas uma maneira de se expressar e aproveitaram as oportunidades no mundo moderno para potencializar seus talentos. “Comecei a desenvolver uma curiosidade e uma necessidade de me expressar por volta dos 17 anos. Gostava muito da moda da década de 60 e 70 e queria usar roupas e acessórios diferentes. Foi então que percebi que eu mesma poderia fazer o que eu imaginava. Cortava camisetas, fazia uns desenhos em algumas peças. Passei a desenhar e pintar o que vinha na minha cabeça. Entrei no curso de Licenciatura em Artes Visuais e ao mesmo tempo fazia aulas de corte e costura. Na época, eu não sabia direito como poderia transformar esse meu interesse em profissão, mas resolvi seguir minha intuição e fui contra o discurso da família de fazer uma faculdade de Direito, Administração, Medicina ou mesmo concurso público”, conta a artista que possui, também, formação em Moda e Design Gráfico.

Mercado em expansão e formação

De acordo com especialistas, o mercado movimenta anualmente mais de 200 milhões de reais, com um crescimento expressivo de 15% por ano. “Hoje, o segmento é muito mais profissional. Além dos artistas, obviamente, o segmento movimenta, por exemplo, galeristas, curadores, vendedores e críticos de arte. Nos últimos anos, várias galerias foram abertas em Curitiba e em diversas outras regiões do país”, comenta a galerista Zilda Fraletti, que atua há mais de 30 anos no segmento.

Motivadas pela expansão do mercado e pelo interesse crescente dos jovens, instituições de ensino passaram a oferecer cursos especiais, de curta duração, formando profissionais capacitados para atender as mais variadas necessidades do segmento. Vislumbrando esse cenário, o Centro Europeu, uma das principais escolas de profissões e idiomas do mundo, resolveu apostar na formação de novos talentos e lançou, no ano de 2016, o seu curso de Artes Visuais, além de oferecer diversas outras atividades para esse público criativo e que busca conhecimento. “Queremos estimular o aluno por meio de formas contemporâneas de produção artística, desenvolvendo uma visão crítica por meio da análise e da discussão de trabalhos em sala de aula com orientação de profissionais qualificados e informações atualizadas sobre as artes visuais. Contribuímos para a criação de um repertório criativo no setor das artes e nas diversas áreas do estudo estético, tais como fotografia, arquitetura e design”, detalha a artista e fotógrafa Tânia Buchmann, supervisora do curso da escola curitibana.

De acordo com a especialista, o conhecimento adquirido nas salas de aulas faz com que os jovens tenham todas as ferramentas necessárias para desenvolver projetos pessoais em escultura, pintura, desenho ou em qualquer outra linguagem, fazendo com que o mercado se movimente, gerando novas perspectivas. “Estamos vivenciando uma geração cada vez mais preocupada em como emitir sua opinião e sentimentos, encontrando nas demonstrações artísticas uma forma muito interessante e fascinante de se comunicar com o seu meio. E isso se torna ainda mais especial a partir do momento em que esses trabalhos passaram a ser valorizados. Ou seja, está sendo criado na cidade de Curitiba um ciclo muito interessante para artistas e colecionadores de artes, com o consumo e produção crescendo diariamente”, detalha Tânia.

Para quem busca entrar no mercado, Thais Francoski dá dicas fundamentais. “A oferta de cursos na área aumentou do último ano para cá, o que reflete a ascensão do mercado. Isso é fundamental para o amadurecimento do segmento. Além disso, sugiro que as pessoas fiquem de olho no que acontece na cidade, frequentem exposições, feiras e eventos, buscando formas de se aprofundarem ainda mais nesse universo encantador”, completa a jovem.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.