Projeto Pais aumenta renda e garante segurança alimentar

redacao 18/11/2011
redacao 18/11/2011

Produtora conta experiência de sucesso com agricultura ecológica

Maria Verônica de Oliveira, agricultora da cidade de Monteiro, na região do semiárido do Cariri, na Paraíba, emocionou os participantes do Fórum Sebrae de Conhecimento que acontece até esta sexta-feira (18), em Brasília.

Com muito entusiasmo, Verônica contou que 25 famílias de produtores rurais melhoraram em mais de 100% a renda e a qualidade de vida, com a implantação do Projeto Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS), uma parceria da Fundação Banco do Brasil (FBB) com o Sebrae.

“Graças à implantação do PAIS, hoje plantamos 55 tipos diferentes de alimentos, como a batata doce, a beterraba, o coentro, e frutas como mamão e caju, que vendemos para a merenda escolar. Antes disso, eram apenas cinco culturas. Nossa vida melhorou mais do que 100%. Aprendemos a diminuir o uso de veneno. A nossa renda era de R$ 200 ao mês e hoje já chega a R$ 4,7 mil por mês”, comemorou Verônica de Oliveira que também é presidente da Associação dos Produtores Agroecológico de Monteiro.

Outra boa notícia, segundo Maria Verônica Oliveira, é a de que antes do Programa, os produtores gastavam muito com veneno e adubo. Com as capacitações do PAIS, eles aprenderam a fazer compostos para combater pragas. “Com o PAIS, conseguimos montar a feira agroecológica, onde vendemos nossos produtos. O lucro antes disso era só para a produção, mas agora, todos os produtores compraram carros e eletrodomésticos. Além da renda semanal com a feira, que chega a R$ 500, também vendemos para a merenda escolar e para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)", disse.

Este ano, os produtores de Monteiro conseguiram, a certificação orgânica com o Ministério da Agricultura. “Nossos produtos são mais valorizados e mais aceitos no estado agora”, conta a produtora que conclamou a todos os presentes no Fórum a divulgar a agricultura orgânica. “Perdi meu pai por conta de venenos e hoje eu sei que qualquer coisa que a gente fizer, a natureza agradece”, conclui.

A moderadora do debate, a pesquisadora da Universidade de Brasília, Marilia Mendonça Leão, finalizou o painel afirmando que o depoimento da agricultora Verônica mostrou a importância do empoderamento social, do ganho social e o ganho da autoestima. “Estas instituições como o Sebrae, e nós que somos lideranças, precisamos continuar trabalhando para ajudar a trazer o alimento adequado para a população, porque a alimentação é um direito social garantido pela Constituição”, afirma.
 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.