Imune à pandemia, a maior franquia de depilação do mundo, Não+Pelo cresce por todo país

A franquia Não+Pelo é uma boa opção de negócio para empreendedores que queiram oferecer diferentes tratamentos do corpo e atender tanto ao público feminino como ao masculino

Marlon Aseff 27/08/2020
Marlon Aseff 27/08/2020

Na contramão das taxas negativas que afetaram o setor de Beleza, Estética e Bem-Estar desde o início da pandemia, a franquia de depilação Não+Pelo cresce de maneira ininterrupta entre médias e pequenas cidades do país.  Líder mundial em depilação, a empresa já atua em 14 países impulsionada por uma exclusiva tecnologia que inovou no segmento através de um serviço indolor, não invasivo e com altos índices de aceitação, tanto pelo público masculino quanto feminino.

A empresa chegou ao Brasil em 2010 e rapidamente marcou território. Atualmente, totaliza 265 franquias de norte a sul do país, consolidando-se como uma marca estrangeira pioneira no franchising nacional e a única rede a ser agraciada com o prêmio Top 100 Global Franchising e o Selo de Excelência no Franchising em 2018 e 2019.

A Não+pelo nasceu na Espanha, em 2007 e no ano seguinte já experimentava um processo de internacionalização por toda a Europa. O sucesso dos métodos de depilação a formatação do negócio fez com que em apenas quatro anos mais de 1000 unidades franqueadas já estivessem em atividade, entre a Europa e o Brasil.

O tratamento inovador é realizado sob Luz Pulsada Intensa, que combate o crescimento dos pelos, suaviza a foliculite e agrega cuidados dermatológicos. Recentemente a rede também passou a adotar metodologias que utilizam cera e Laser Diodo, o que aumenta o leque de possibilidades de tratamentos.No Brasil ainda se somam tratamentos de limpeza facial (Proskin).

Um dos diferenciais da franquia é a formação de uma equipe especializada em beleza e estética, que fica à disposição dos clientes para procedimentos como a fotodepilação, que permite afinar os pelos mais grossos, retarda o tempo de crescimento e auxilia na eliminação duradoura. O hidratante Não+Pelo é outro produto idealizado pela marca que soma-se ao tratamento exclusivo e pode ser utilizado na versão filtro solar.

Também contribuiu para a rápida aceitação da franquia uma política de preços bem definida e a oferta de um produto afinado com o público brasileiro. Em pleno período de pandemia e isolamento social a empresa apresentou a tecnologia Sun & Safe, que obteve grande aceitação em Portugal, Espanha e Itália. O método, exclusivo da rede, veio quebrar um paradigma da depilação para peles bronzeadas.

Através do procedimento, que utiliza o comprimento de luz entre 700 e 900 nanômetros, pessoas bronzeadas podem realizar a depilação sem danos dermatológicos, além de atender diretamente o público negro, com tom de pele mais escura e homens que possuem pelos grossos. Técnicamente, o Sun & Safe é uma inovação tecnológica que atinge menos o cromóforo hemoglobina, eliminando a cromófora água, oferecendo mais segurança e reduzindo quase a zero o risco de queimaduras. O investimento na tecnologia que é sucesso na Europa, sobretudo nos países que possuem litoral, foi de dois milhões de euros, e veio de encontro com a expansão da rede pelo Norte e Nordeste brasileiro, além é claro, do Rio de Janeiro.

DEVER DE CASA

O sucesso da Não+Pelo durante um período de incertezas para muitas franquias brasileiras, no entanto, não aconteceu por acaso. A rede soube fazer rapidamente o dever de casa e adotou uma série de mudanças para superar um momento emblemático e que ainda abala a economia nacional. Para isso, foram priorizadas ações no campo digital e a expansão do software de gestão “SYS Não+Pelo” para todo o Brasil, depois de um período de teste piloto no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Além disso, foi formatada a Universidade Não+Pelo em parceria com a plataforma BenkYou para atualização, modernização e capacitação de franqueados e colaboradores, destinada a melhorar o fluxo de vendas. O site da rede também foi todo reformulado, permitindo a compra de serviços online e uma maior interação com os clientes e interessados nos serviços da empresa.

Por trás da estratégia vencedora da Não+Pelo está José Rocco, CEO da empresa, que aos 35 anos já acumula uma experiência administrativa que o permite planejar em detalhes os passos da multinacional no gigantesco mercado nacional. Administrador de empresas especializado em auditoria médica no Canadá, profundo conhecedor da área de estética, Rocco passou pela matriz da Não+Pelo na Espanha, onde atuou no planejamento da expansão internacional da marca.

De volta ao Brasil desde julho de 2019, Rocco assumiu o comando da franqueadora no país e se empenhou no reposicionamento da marca, com ações que levaram em conta fatores determinantes da pandemia e planeja ações incisivas para o segundo semestre. “Com a pandemia e a crise no emprego, muitas pessoas passaram a procurar montar o próprio negócio e o perfil de franquias mais acessíveis como a Não+Pelo impulsionaram a nossa demanda, de norte a sul”, avalia.

Com isso, a empresa passou a experimentar algo inusitado, onde as unidades cada vez mais populares em cidades de pequeno porte passaram a apresentar um faturamento superior a centros já estabelecidos. Segundo José Rocco, as cidades de pequeno porte foram menos afetadas pela crise e isso impulsionou a expansão da marca, que só no Rio Grande do Sul deve abrir 5 novas franquias nas próximas semanas.

A INTERIORIZAÇÃO

O fenômeno da interiorização se repete em todo o país. Durante os primeiros meses da pandemia, para facilitar a vida dos parceiros, a franqueadora, que já havia reduzido as taxas de royalties e publicidade no início do ano, suspendeu ambas as taxas nos valores de R$ 1.650,00 e R$ 750,00, respectivamente, e eliminou a taxa de franquia no valor de R$ 45 mil para a renovação dos contratos em fase final dos franqueados. “Com o confinamento, nos aproximamos ainda mais dos franqueados graças as lives que realizamos de duas a três vezes por semana, e isso gerou uma sinergia muito grande de norte e sul do país”, define.

 

Boa parte do sucesso recente da marca deve-se também a uma tendência que cresce no país, a exemplo da Europa: a depilação masculina. “Com a introdução da nova tecnologia tivemos essa boa surpresa da aceitação do público masculino, que é bastante fiel, e em tempos de pandemia com o uso da máscara, depilações que envolvem barba e destinadas a profissionais como policiais, trabalhadores de frigorífico, bancários, entre outros, passaram a compor uma expressiva parte de nossa clientela”, diz o CEO. Com isso, o número de fechamento de lojas durante a pandemia foi muito pequena e a expansão no sul do país mostrou-se uma forte tendência entre cidades pequenas e com potencial econômico. Por outro lado, a nova tecnologia que privilegia tratamentos em pele negra e bronzeada abre novas possibilidades de expansão da marca em todo o nordeste, onde o sol está presente na maior parte do ano.

Somando-se às novas estratégias de branding durante pandemia, a empresa também adotou parceria com uma ONG de animais abandonados e passou a presentear clientes com voucher de compras em grandes redes varejistas, através de estratégias de valorização de relacionamentos, como no dia dos pais. Segundo José Rocco, isso cria sinergia, distanciando-se da relação exclusiva de preço e agrega valorização e apego a marca. “O cliente quer um atendimento de qualidade e isso vale para nossos franqueados. Nós não seguramos ninguém por força de contrato, mas por satisfação a rede”, enfatiza o CEO. Com isso, a rede cresce, em média, 10 novas unidades ao mês, confirmando o potencial do mercado de beleza e estética brasileiro, que já é o terceiro maior do mundo.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.