Mulheres dominam mais de 70% da produção científica nacional

Zelândia Silva 08/03/2020
Zelândia Silva 08/03/2020

No Dia Internacional da Mulher, o Brasil tem algo de se orgulhar. Segundo a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), somos o país com maior porcentagem de artigos científicos assinados por mulheres na América Latina e na comunidade íbero-americana. Entre 2014 e 2017, o Brasil publicou cerca de 53,3 mil artigos, dos quais 72% são assinados por pesquisadoras mulheres.

A pesquisadora e CEO da MagicScience Brasil, Jackeline Alecrim, é uma das cientistas que endossam esses números. Pioneira no mundo ao desenvolver através de seu trabalho científico uma formulação realmente efetiva contra a alopecia, sendo reconhecida internacionalmente, ela conta que isto é resultado da capacidade, resiliência e da força das mulheres: “É maravilhoso ver como nós mulheres podemos fazer a diferença em todas as áreas, não apenas dentro daquilo que é estereotipo ou clichê. Isto é resultado direto da luta que temos assumindo desde gerações anteriores em busca de igualdade de gênero e de mostrar à sociedade que podemos fazer muito mais do que cuidar da casa e dos filhos, mas também contribuir para o desenvolvimento científico e fazer descobertas que mudam o mundo”, contou.

Mulheres ainda são minoria no meio acadêmico

No entanto, os dados mostram que apesar de assinar a maior parte dos artigos, quando levado em conta o número de mulheres pesquisadoras, ele é menor que o dos homens. No Brasil, elas representam 49% dos autores.

A Dra. Jackeline Alecrim conta que nas universidades geralmente o número de mulheres é menor em cadeiras relacionadas a cursos como engenharia, medicina e ciências exatas: “O que se observa nas salas de aula é que as mulheres representam apenas cerca de 5% a 10% dos estudantes em alguns cursos, o que também acontece quando olhamos para o quadro de professores. Vemos isto também em congressos e afins. Mas apesar disto, somos nós mulheres que mais produzimos em diversas áreas do conhecimento.”

Brasil em relação a outros países ibero-americanos

Atrás do Brasil, aparecem a Argentina, Guatemala e Portugal com participação de mulheres em 67%, 66% e 64% dos artigos publicados, respectivamente. No extremo oposto estão El Salvador, Nicarágua e Chile, com mulheres participando em menos de 48% dos artigos publicados por cada país.

Além desses países, a OEI analisou a produção científica da Bolívia, Colômbia, Costa Rica, Cuba, República Dominicana, Equador, Espanha, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. Os dados fazem parte do estudo As desigualdades de gênero na produção científica ibero-americana, do Observatório Ibero-americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade (OCTS), instituição da OEI.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.